Sobre São tomé e Princípe

Discretamente disposto no golfo da guiné, em pleno Oceano Atlântico de águas quentes e sadias, o arquipélago de São Tomé é conhecido pela sua diversidade da natureza, da floresta às praias, pelos sabores e aromas que enfeitam o ar e, claro, o cacau. Antes da chegada dos portugueses em 1470, as ilhas de S\ao Tomé e Princípe eram desabitadas, tendo sido, pois, descobertas por João de Santarém e Pêro Escobar. A cultivação de açúcar foi uma das culturas impulsionadoras d escravatura, apesar de ainda hoje se manter como um dos produtos mais exportados, a par do café e do cacau.

Cascata de São Nicolau

A Boca do Inferno é um fenómeno natural que atrai muitos visitantes. Trata-se de um gruta transformada pelas ondas, que entram por uma ravina estreita que acaba numa gruta com um orifício no topo. A Cascata de São Nicolau, está já encaixada nas montanhas a Norte, é um ponto obrigatório de passagem e de descoberta.

Café São Tomé

É terra quente, de cultura, literatura (Alda Espírito Santo, Conceição Lima, por exemplo) e mãos artísticas, por isso, visitar o Centro Cultural CACAU  (Casa das Artes Criação de Ambientes e Utopias), é obrigatório para perceber a dinâmica da Ilha com pintores e artesãos. Há ainda várias Raças espalhadas pelas ilhas que espelham o seu passado colonial. Vale a pena uma visita, particularmente àquelas que foram transformadas em cafés e pequenos hotéis, como a Roça de Monforte ou Roça de Bombaim.

Mercado São Tomé

Peixe, marisco e fruta-pão são a base da gastronomia são-tomense. Vai ouvir falar em sôuô de côcô "matabala", pirão de farinha de mandioca, jógó, e, essencialmente, calulú, considerado o prato típico da Ilha, que leva, além de peixe, quiabos, alho, óleo de palma, batata doce, tomate, abobrinha, entre outros. De ficar com água na boca.

Praia São Tomé

As paisagens naturais, tanto na água como em terra, são a principal atracção de São Tomé e Príncipe. É praticamente impossível descrever as florestas às praias paradisíacas. É também o lar de mais de 135 espécies de aves, para além de observação de baleias, mergulho e pesca. Todas as actividades relacionadas com água e praia farão as delicias de quem visita, pois este é um dos grandes trunfos de São Tomé.

Documentos: Apresentar passaporte com validade igual ou superior a 3 meses. Estão isentos de pedido de visto os cidadãos nacionais de Estados-membros da U.E. (apenas espaço Schengen, dos Estados Unidos e ainda os cidadãos que possuam visto para qualquer um dos referidos destinos, desde que a estadia em S. Tomé e Príncipe não exceda as duas semanas.

Vacinas: Para passageiros provenientes de Portugal, a vacina da Febre-amarela não é obrigatória. Apenas será obrigatório para as viagens que compreendam o seu itinerário e estadia em países com risco de infecção desta doença (por exemplo Angola, Brasil…).

Taxas Locais: Taxa Turística de 3€ (valor indicativo) por dia e por turista. A referida taxa deverá ser paga pelo hóspede na ocasião do check-out/liquidação da conta no hotel, e será descriminada na factura/recibo.

Data de última atualização: 30 de Agosto 2021

  1. TESTE: Obrigatório para turistas a partir dos 5 anos (3 anos no caso de inter-ilhas).
    1. Na ida: É necessário possuir impresso o resultado de teste PCR  negativo até 72 horas antes da partida (4 dias antes).
    2. No regresso: Em voos da STP Airways é necessário possuir teste PCR negativo até 72h antes do voo ou teste Antigénio negativo 48h antes do voo. Em voos TAP é necessário possuir teste PCR negativo até 48h antes do voo. O certificado digital não é válido para regressar. Estão isentas deste procedimento as crianças que ainda não tenham completado 12 anos de idade. 
    3. Voos internos: Para viagens entre a Ilha do Príncipe e São Tomé (e vice-versa), os passageiros devem apresentar obrigatoriamente, no momento da partida, o comprovativo da  realização de testes rápidos de antigénio (TRAg) nos dois sentidos,  com resultado negativo, efetuados até 24h antes do embarque.
  2. QUARENTENA: Não obrigatória.
  3. OUTRAS OBRIGATORIEDADES: Preencher o Questionário da Vigilância de Doenças Transmissíveis onde constam a identidade do passageiro assim como local de permanência em São Tomé.

** Teste Covid-19

O custo do teste PCR é aproximadamente de 1000 STN, o equivalente a 40 EUR, valor pago localmente através de um depósito numa conta do Banco Internacional de São Tomé (5683275/101). Os testes não carecem de marcação prévia, devendo apenas deslocar se ao local no horário indicado.

STP:

  1. Quartel General das Forças Armadas de São Tomé: 08h30 às 11h30
  2. Laboratório Nacional de Referência da Tuberculose: 08h30 às 10h30

Príncipe:

  1. Centro Policlínico de Água Grande

Procedimentos individuais de cada hotel 

  1. Pestana São Tomé
  2. Praia Inhame
  3. Mucumbli

 

PARA REGRESSO A PORTUGAL

Portugal está com restrições para todos os passageiros com idade igual ou superior a 12 anos, nacionais ou estrangeiros, que regressem de viagens com origem em países não-Schengen ou não pertencentes à UE, em que é obrigatório apresentar comprovativo de realização de teste laboratorial (RT-PCR) para rastreio da infeção por SARS-CoV-2, com resultado negativo, realizado nas 72 horas anteriores ao momento do embarque e, consequentemente, teste negativo à partida do ponto de regresso no check-in do voo ou na porta de embarque. ou um teste rápido de Antigénio,  realizado nas 48 horas anteriores ao embarque no 1º ponto de viagem ou o embarque ser-lhes-á recusado (incluindo cidadãos portugueses, residentes em Portugal e seus familiares).

Considera-se como teste PCR OU ANTIGÉNIO COVID-19 válido um exame efetuado por um laboratório certificado, contendo as seguintes informações:

  1. Identificação do passageiro;
  2. Identificação do laboratório em o teste foi realizado, com menção à respetiva certificação;
  3. Referência à utilização da metodologia;
  4. Data de realização do teste;
  5. Resultado do teste como “negativo” /” Não detetável”

 Os comprovativos de realização laboratorial de teste devem indicar, obrigatoriamente, o conjunto de dados normalizados acordados pelo Comité de Segurança da Saúde da União Europeia.

Apenas são admitidos os testes de antigénio (TRAg) que constem da lista comum de testes para despiste da doença COVID-19 no espaço comunitário (https://ec.europa.eu/health/sites/default/files/preparedness_response/docs/covid-19_rat_common-list_en.pdf).

CERTIFICADO DIGITAL COVID da UE

A partir de 1 de julho de 2021, é permitida a realização de viagens, por qualquer motivo, com destino a Portugal (continental e Ilhas) por viajantes que tenham de um Certificado Digital COVID.

São admitidos os seguintes certificados digitais COVID da UE:

a) Certificado de vacinação, que ateste o esquema vacinal completo do respetivo titular, com uma vacina contra a COVID -19. A vacinação é considerada completa 14 dias após:

  1. A dose única de uma vacina contra a COVID -19 com um esquema vacinal de uma dose, ou;
  2. A segunda dose de uma vacina contra a COVID -19 com um esquema vacinal de duas doses, ainda que tenham sido administradas doses de duas vacinas distinta, ou;
  3. primeira dose de uma vacina contra a COVID -19 com um esquema vacinal de duas doses por pessoas que recuperaram da doença, se estiver indicado no certificado de vacinação que o esquema de vacinação foi concluído após a administração de uma dose

b) Certificado de recuperação, que ateste que o titular recuperou de uma infeção por SARS-CoV -2, na sequência de um resultado positivo num teste TAAN realizado, há mais de 11 dias e menos de 180 dias

c) Certificado de teste TAAN realizado nas últimas 72h que antecedem o embarque no primeiro ponto da viagem OU teste antígeno realizado nas últimas 48h que antecedem o embarque no primeiro ponto de viagem

 

NOTAS:
  1. Os certificados podem ser apresentados de forma digital ou em papel
  2. Apresentação de Certificado Digital COVID da UE dispensa a realização de testes para despistagem da infeção por SARS -CoV -2 por motivos de viagem
  3. A apresentação de Certificado Digital COVID da UE de vacinação ou recuperação dispensa o cumprimento de quarentena ou isolamento por motivos de viagem.
  4. Os menores de 12 anos estão dispensados de apresentar um certificado digital COVID da UE ou um comprovativo de realização de teste para despistagem da infeção por SARS -CoV -2, relacionados com viagens.
  5. Os menores que viajem com um ou ambos os titulares das responsabilidades parentais, ou com outro acompanhante por eles responsável, estão dispensados da realização de quarentena quando o(s) acompanhante(s) sejam detentores de um certificado de vacinação ou de recuperação válido aquando da entrada em território nacional.

De acordo com disposto pelo Governo Português na legislação em vigor, o tráfego aéreo com destino e a partir de Portugal continental está autorizado para os seguintes voos:

  1. De e para os países que integram a União Europeia e países associados ao Espaço Schengen (Liechtenstein, Noruega, Islândia e Suíça), Reino Unido, EUA e Canadá e Brasil.
  2. De e para países cuja situação epidemiológica esteja de acordo com a Recomendação (UE) 2020/912 do Conselho, de 30 de junho de 2020.
  3. De e para países que não integram a União Europeia ou que não sejam países associados ao Espaço Schengen exclusivamente por motivos essenciais* (exceto Reino Unido, EUA, Canadá e Brasil).
  4. Destinados a permitir o regresso aos respetivos países de cidadãos estrangeiros que se encontrem em Portugal continental, desde que tais voos sejam promovidos pelas autoridades competentes

* Motivos essenciais são viagens realizadas por motivos profissionais, de estudo, de reunião familiar, por razões de saúde ou por razões humanitárias.

O presente despacho produz efeitos a partir das 00h01 do dia 29 de Junho de 2021, podendo ser revisto em qualquer altura, em função da evolução da situação epidemiológica.

O Passenger Locator Card (PLC) ou Cartão de Localização de Passageiro é um documento previsto na legislação internacional, no contexto de proteção da saúde pública, designadamente no que respeita a doenças transmissíveis, permitindo efetuar o rastreio de contactos de pessoas que venham a apresentar resultados positivos de infeção, através de dados fornecidos pelos passageiros de transportes aéreos. Auxilie as autoridades de saúde pública portuguesas a localizar passageiros que possam ter sido expostos à COVID-19.

 

O preenchimento será verificado na porta de embarque, seja  através de papel impresso* ou de apresentação num dispositivo móvel.

*passageiros que por motivo de falta de acesso à internet, desconhecimento da língua portuguesa ou inglesa ou infoexclusão, poderão preencher um PLC em .papel

O formulário PLCe está disponível online através do portal “Clean & Safe” a consultar aqui.